A propósito...

O objetivo deste blog é o de coletar, todos os dias, notícias verdadeiramente positivas e edificantes em prol de um mundo melhor. Colabore para a nossa cura, dedique um tempo para enviar boas vibrações ao planeta! Para entender melhor, leia o Editorial

domingo, 31 de julho de 2011

Intervalo Nas Deliberações! - Parte 3


Beautiful Life
Gui Boratto

"A beleza da vida depende de como enxergamos o mundo..."

Ateu atravessou África para dar um carro às freiras



IMPERDÍVEL! Uma das notícias mais interessantes das que tive sorte de coletar! Para os mochileiros ou viajantes, recomendadíssimo. O texto é um pouco longo, mas vocês vão querer ler até o final! Não posso deixar de fazer esse desabafo, pois fazia tempo que não passava tantas horas na internet procurando uma notícia positiva. No final das contas, o esforço foi compensado, e a motivação em seguir com este pequeno trabalho, renovada. Bom domingo a todos!

Reportagem: Sónia Simões
Foto: N/A
Diário de Notícias/Portugal
http://www.dn.pt/gente/interior.aspx?content_id=1937936&page=-1

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Doações atendendo o último desejo de uma garotinha atingem US$ 540 mil


Reportagem: Allen Schauffler
Foto: Arquivo pessoal
KING 5 News/msnbc

A história de Rachel Beckwith, contada aqui mesmo no blog, repercutiu no mundo inteiro e ajudou a impulsionar as doações para muito além do que a própria garotinha planejava. Uma bela notícia para encerrar o dia, muitos pensamentos positivos por trás dessa atitude das pessoas.

*Livre tradução resumida

Donativos obtidos através do último pedido de uma menininha de 9 anos de idade, que morreu num acidente de carro há poucos dias, amealharam o montante de 540 mil dólares até hoje. Com novas atividades de arrecadação a serem organizadas por amigos da família de Rachel, espera-se que a generosidade das pessoas seja traduzida em cifras ainda mais expressivas.

Rachel Beckwith havia acabado de completar 9 anos quando se envolveu em um acidente que a deixou gravemente ferida. Ela acabou falecendo no hospital.

[...] A família de Rachel revelou que a filha havia dispensado presentes no seu aniversário. Ela propôs, ao invés disso, que as pessoas fizessem uma doação para a Charitywater.org, uma entidade que realiza perfurações de poços e traz água para as populações sofridas de países em desenvolvimento.

Rachel conseguiu levantar 220 dólares, nada mal para uma criança, mas 80 dólares a menos do que ela tinha como meta.

"Não tem problema," disse ela à família. "Ano que vem, no meu décimo aniversário, eu vou trabalhar duro para levantar mais dinheiro!"

Infelizmente ela não conseguirá chegar ao próximo aniversário, mas sua campanha arrecadou muito mais do que ela sonhava. O website para doações de Rachel foi reaberto quando ela ainda estava no hospital. No dia em que sua história foi publicada pela King 5 Notícias, o número de doações subiu para 6 mil dólares (na sexta passada). Na segunda-feira pela manhã, aumentou para 140 mil e, até quinta-feira, também pela manhã, mais de 540 mil dólares haviam sido arrecadados.

[...] A mídia ficou sabendo da história de Rachel e deu ampla divulgação. A notícia se espalhou pelo Facebook e Twitter, e ganhou força graças à ajuda de famosos. A atriz Alyssa Milano tuitou a história para seus mais de um milhão de seguidores, assim como o jogador de futebol americano Matt Hasselbeck. Um colunista do New York Times também destacou o fato.

A cruzada de Rachel em prol dos menos favorecidos, atingidos pela seca em terras áridas e distantes, agora está inudada de amor. Pessoas do mundo inteiro assistiram, ouviram, tuitaram, passaram mensagens para frente, seguiram (follow do Twitter), "friended" e, melhor do que tudo isso,  fizeram doações!

Ryan Meeks, pastor da igreja na qual Rachel frequentava, resume a lição simples e óbiva que a garotinha nos legou:

"Uma criança ensinando a nós, adultos, que as coisas talvez sejam mais simples do que parecem. Você faz o que é possível fazer".

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Jovem com câncer diz que viveu 'uma vida completa' em três anos


Carpe Diem aplicado na prática! Vale a pena ler direto do site da BBC. Abaixo, apenas um trecho da reportagem, que foi uma das mais lidas de hoje.

"Um jovem americano que faleceu de câncer três anos após o diagnóstico dedicou-se a aproveitar ao máximo no tempo que tinha. Em seu último ano de vida, ele se apaixonou e casou-se com a namorada, que ficou ao seu lado até o fim.

Alex Lewis foi diagnosticado aos 17 anos com câncer nos ossos e passou por um tratamento intensivo contra a doença, sem sucesso. Ele faleceu pouco depois do seu aniversário de 22 anos.

Durante os últimos três anos, ele experimentou o que muitas pessoas levam toda a vida para conseguir, inclusive conhecer e casar com o amor de sua vida."

Para ver os detalhes, clique no link abaixo!


Reportagem: BBC Brasil
Foto: BBC Brasil
BBC Brasil

terça-feira, 26 de julho de 2011

Dez coisas que aprendi com meu filho


Bela crônica que saiu hoje n'A Notícia. As descobertas da maternidade pela jornalista Mônica Torres...

"No jornalismo, temos uma ferramenta salva-vidas para abordar todo tipo de assunto: a lista. A leitura é quase certa – eu adoro, pelo menos. Você já deve ter visto das mais longas até as curtinhas. As três mais lidas, as cinco mais tocadas. Vinte maneiras de renovar sua casa, 50 truques de maquiagem para te deixar mais bonita, 250 motivos para amar a sua cidade, os mil discos que você deve ouvir antes de morrer, e assim por diante.

Quando se trata de datas então, as listas estão lá. E é por causa de uma data que listei todas estas listas. Meu filho mais velho faz dez anos e resolvi arriscar uma seleção. As dez coisas que aprendi com ele neste tempo:

1. Com o filho, nasce a mãe. Um belo dia você é o centro do universo, no outro não. De destemida, passa a achar que um berço pode ser perigoso. Os limites se alargam: o do amor, o da coragem, o da paciência.

2. Como um cheiro pode ser tão bom? Desde o cheirinho de bebê até o azedinho do suor depois do futebol, sempre que você encostar o rosto naquela cabeça vai querer cheirá-la. Sorver aquele aroma como se fosse o melhor e mais viciante perfume. Melhor que pão quentinho, melhor que o cheiro na nossa mãe.

3. O falar sem usar palavras. Um olhar pode valer por uma conversa de horas. Um gesto tem um punhado de significados. E a gente entende todos. Se não entende, pressente."

Leia o restante da crônica no link abaixo, vale a pena!

Autora: Mônica Torres
Imagem: N/A
A Notícia
http://www.clicrbs.com.br/anoticia/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&source=a3413071.xml&template=4191.dwt&edition=17608&section=1186

Morte trágica de menina gera campanha por doações



Reportagem: BBC Brasil
Foto: Divulgação
Folha de São Paulo
http://www1.folha.uol.com.br/bbc/949769-morte-tragica-de-menina-gera-campanha-por-doacoes.shtml

A morte trágica de uma menina de 9 anos em Seattle, nos Estados Unidos, gerou uma campanha por doações que já arrecadou mais de US$ 165 mil para levar água a comunidades carentes na África.

Rachel Beckwith havia pedido no mês passado, para seu nono aniversário, que familiares e amigos fizessem doações para uma organização não governamental em vez de lhe dar presentes. Seu objetivo era arrecadar US$ 300.

Na semana passada, porém, Rachel ficou gravemente ferida em um engavetamento envolvendo 13 carros numa estrada próxima à sua casa. No último fim de semana, sua família decidiu permitir o desligamento dos aparelhos que a mantinham viva artificialmente e doaram seus órgãos.

A notícia da tragédia chamou a atenção para a página que a menina havia criado no site da ONG charity:water para arrecadar doações. Em poucos dias, as contribuições superaram mais de 500 vezes sua meta inicial.

Celebração Diferente

Em sua mensagem colocada no site no início de sua campanha, Rachel pedia doações em lugar de presentes em seu aniversário.

"No dia 12 de junho de 2011, vou fazer 9 anos. Descobri que milhões de pessoas não vivem até seu quinto aniversário. E por que? Porque elas não têm acesso à água limpa e segura", diz a mensagem

"Por isso estou celebrando meu aniversário de maneira diferente. Estou pedindo para todo mundo que eu conheço que doem à minha campanha em vez de me dar presentes no meu aniversário", afirma.

Na segunda-feira, dois dias após a morte da menina, sua mãe, Samantha, postou uma mensagem para agradecer pelas doações à campanha da filha.

"Obrigado por sua generosidade. Eu sei que Rachel está sorrindo!", diz Samantha, mãe de Rachel Beckwith.

"Estou impressionada com o imenso amor para transformar o sonho de minha filha em realidade. Diante da dor inexplicável, vocês forneceram uma esperança inegável", disse ela.

Segundo a ONG charity:water, as doações recebidas por meio da página de Rachel Beckwith já haviam ajudado até a manhã desta terça-feira a fornecer fontes de água potável para 8.290 pessoas.

O melhor amigo de um soldado*



Reportagem: Laura Baziuk
Foto: Christopher Pike
Postmedia News/Ottawa Citizen

* Livre Tradução Resumida

Desde que se aposentou, o ex-militar Dave Desjardins tem como melhor amiga Maggie, uma rottweiler de dois anos e meio. A cadela ajuda Dave, de 41 anos, a pegar garrafas de água, retirar roupas da secadora, fechar a porta do refrigerador e até a descer as escadas. Ela também dá abraços no seu dono.

[...] Desjardins, cabo aposentado pelo Exército canadense, foi diagnosticado com estresse pós-traumático em 2005, após retornar de uma incursão pelo Afeganistão. Ele também voltou gravemente ferido nos quadris por conta de exercícios de treinamento.

Pesadelos com soldados sendo explodidos invadiram seu sono, sem contar os ataques de pânico que o deixavam paralisado sempre que se via cercado de muitas pessoas (pavor de multidões) e memórias de membros sendo amputados. Depois de tentar todo tipo de medicamento e conversas infindáveis com psiquiatras, ele descobriu um programa, o Courageous Companions - Corajosos Companheiros. Administrado por um grupo que trabalha com serviços de animais, ele oferece a veteranos de guerra, policiais e outros profissionais que tenham passado por experiências traumáticas, um cão para ajudá-los a superar os sintomas físicos, mentais e emocionais.

"Maggie vai comigo em lojas, shoppings e outros locais onde há multidões. [...] Nesse sentido, ela é mais do que um apoio."

Ele diz  que a cadela de 44 kg, com sua vestimenta amarela de serviço, ajuda a criar uma espécie de bolha ao redor dele quando sai para fazer compras. Se Maggie sente que seu dono está ficando ansioso, ela gentilmente lhe dá um leve cutucão. "Ela me ajuda focar em alguma coisa, ao invés das pessoas ao meu redor. Isso me traz de volta. É como se ela dissesse: ´Ei, olhe pra mim, esqueça tudo ao seu redor!´.

Terry Green, presidente da ASIST (Animal Services & Integrated Support Teams), e que dirige o programa Corajosos Companheiros, diz que os animais podem ajudar as pessoas a recuperarem o chão após uma experiência traumática, bem como ajudar a acelerar do processo. "No momento, estamos começando um trabalho com hospital Royal Ottawa, em saúde mental. Estamos introduzindo, aos poucos, animais dentro do ambiente para que interajam com os pacientes".

O programa, que começou como um piloto para as Forças Armadas canadenses, possui similares nos EUA (Paws For Purple Hearts) e no Reino Unido. Deve ser expandido para outras cidades canadenses depois do sucesso em Ottawa e Winnipeg.

Desjardins diz que Maggie lhe deu um conjunto de novas habilidades para lidar com seu problema, o qual não foi possível adquirir com terapias convencionais, como andar no meio de muitas pessoas novamente e até mesmo sair de casa. "Psicologia convencional é muito sobre falar de si mesmo, de suas experiências...e de revivê-las. O tipo de coisa com a qual Maggie não se importa. Ela não liga para saber o que eu passei, se estou com raiva...ela apenas está aqui quando preciso, é incondicionalmente dedicada ao serviço, sem questionar nada".

No momento, os responsáveis pelo programa da ASIST lutam para conseguir verbas do governo para expandir o programa Corajosos Companheiros no Canadá. Desjardins defende que o programa seja de fato apoiado pelo governo, especialmente nos casos de estresse pós-traumático, pois pôde sentir os benefícios reais de ter um cão para ajudá-lo a se recuperar.

"Certamente há um benefício. Hoje, me encontro em um estado superior, estou relativamente feliz e não quero mais voltar àquela época. Desde que iniciei o programa e passei a trabalhar com Maggie, estou muito melhor do que antes".

domingo, 24 de julho de 2011

Michael, cadete escocês por 4 anos - e autista*


NT - Não poderia deixar de publicar mais esta, sem dúvida uma das melhores do blog até hoje. Se a mente deste rapaz passou por cima de tantos obstáculos, por que nós não podemos também superar as nossas imperfeições mentais e ajudar a purificar o mundo? Agradecimento especial aos escoceses, que forneceram tanta matéria-prima para este espaço no final de semana!

The Falkirk Herald

* Livre tradução resumida

Muitos jovens deixam o exército como pessoas melhores do que quando entraram.

No entanto, há relativamente poucos que poderiam traduzir tal sentimento para a organização em si.

O destacamento militar de Grangemouth, na Escócia, teve em seus quadros um jovem com este perfil nos últimos quatro anos - Michael Martin, que entrou para a corporação aos 18 anos e é autista.

Por causa da idade, seu tempo na organização está, infelizmente, chegando ao fim. No entanto, pode-se afirmar que foi, sem dúvidas, muito bem aproveitado.

E se você perguntar a ele o que acha do grupo, ele sempre dará a mesma resposta, simples e direta: "Eu adoro os cadetes". O primeiro contato do jovem de Reddingmuirhead com o exército se deu em 2007, mas era o irmão mais novo, Jack, quem parecia mais propenso a ingressar.

"Levamos o Michal conosco quando Jack estava indo se alistar. Ele disse que gostaria também de ingressar, mas eu achei que não fosse apropriado, por causa do seu autismo. Entretanto, o Capitão Baff nos disse para dar uma chance a ele", conta a mãe, Julie.

Ironicamente, Jack deixou os cadetes depois de um ano, mas Michael serviu por quatro anos - amando cada minuto.

Foi uma longa curva de aprendizagem para o comandante, Capitão John Baff, que conhecia muito pouco sobre autismo à época.

"Ele foi o primeiro cadete autista que tivemos, mas espero que não seja o último. Penso que por sermos uma organização de jovens, não devemos dar as costas a nenhum rapaz. Quando ele usa o uniforme, ele é apenas outro cadete - você não diria que ele é autista. Ele marchou em trajes de gala e nas paradas do Dia do Armistício. Isto me abriu os olhos e os olhos dos seus colegas: o fato de que Michael é capaz, pois ele não desiste nunca. Ele leva mais tempo para cavar, usar uma bússola ou se situar com um mapa, mas sempre consegue chegar lá, no final."

[...] Os pais de Michael esperam que ele possa lidar bem com o fato de que irá deixar a corporação ao final do mês.

"Acredito que não será fácil para ele pegar o conceito, pois é o que tem feito todas as segundas e quinta-feiras dos últimos quatro anos", diz a mãe. "Somos muito gratos ao Capitão Baff e aos demais cadetes por terem dado a ele esta oportunidade. Sabemos que não foi fácil".

Quando deixar o grupo após uma cerimônia especial para os cadetes, Michael levará consigo lições e habilidades como primeiros-socorros, tiro e trabalhos de campo. Deixa, no entanto, um grande exemplo aos demais cadetes por sua perseverança e entusiasmo.

Bombeiros heróis reencontram o bebê que salvaram*


Reportagem: George Mair
Foto: N/A
Daily Record - Escócia

*Livre tradução resumida

Dois bombeiros que estavam de folga salvaram a vida de um bebê que havia sofrido uma parada respiratória. Keith Corrieri, 53 anos, e Chris King, 23, entraram em ação ao ver o vizinho de Chris, Kenny White, em pânico correndo para casa.

Eles o seguiram até a sua casa para encontrar sua mulher, Gemma, e a filha de duas semanas, Jessica. Keith, gerente assistente do Corpo de Bombeiros, e Chris, também bombeiro, utilizaram técnicas de primeiros socorros para limpar as vias áereas do bebê e reavivá-lo.

"Kenny (o pai) passou por mim correndo pela rua, branco como um pedaço de papel. Eu pressenti que alguma coisa estava errada, então veio o Chris, dizendo que ele tinha recebido um telefonema de casa", diz Keith. "Não sabíamos exatamente o quê estava errado, mas fomos atrás para ver se podíamos ajudar em algo."

[...] "Quando adentramos a casa, pude ver Gemma (a mãe) ao telefone, em pânico, pedindo uma ambulância. Jessica estava ficando roxa, sem poder respirar. Ela pensou que a filha estivesse morta, estava realmente perturbada".

"Eu peguei o bebê e comecei a massagear o peito, mas não obtive resposta. Sua boca e nariz estavam cheios de muco, então coloquei a boca sobre a boca e o nariz dela e tentei desobstruir o bloqueio. Tentei duas vezes, mas ela ainda não estava respirando. Na terceira tentativa, escutei um choro muito baixo, então consegui trazê-la de volta."

"Eu apenas reagi à situação, foi para isso que fui treinado, embora tenha utilizado esta técnica apenas uma vez na vida."

"Eu tenho netos pequenos também. É horrível pensar o que poderia ter acontecido."

A criança, Jessica, foi mantida sob observação em uma enfermaria e um dia depois recebeu alta.

Gemma, mãe de outros dois filhos, prometeu que irá se matricular em um curso de primeiros-socorros. "Eu não sabia o que fazer, foi terrível! Foi Keith quem tomou conta da situação - ele praticamente salvou a vida da Jessica".

Ministro das Finanças da Islândia irá correr pela paz mundial*


NT Segue versão em português do projeto World Harmony Run. A notícia é de sexta-feira, portanto, estou presumindo que o teor da reportagem esteja correto, e que todos os eventos realmente aconteceram...

Reportagem: Ice News
Foto: Divulgação
Ice News

A Canção da Corrida da Harmonia Mundial

Letra da canção
Run, run, run, run, run, run!
World-Harmony-Run.
We are the oneness and
fullness of Tomorrow’s Sun.
- Sri Chinmoy, fundador do evento

Tradução
Corra, corra, corra, corra, corra!
Corrida da Harmonia Mundial.
Somos a unicidade e
A plenitude do Sol do Amanhã.

O ministro das finanças islandês, Steingrimur J. Sigfusson e o famoso corredor queniano Tegla Loroupe lideraram a última etapa da Corrida da Harmonia Mundial (World Harmony Run). O evento faz parte do Ano Internacional da Juventude da ONU e UNESCO.

O último trecho deixou o estádio Valur, na capital Reykjavik, sendo liderado por Tegla e Steingrimur e 20 outros corredores denominados 20 Freedom Runners, procedentes de 13 países diferentes. O destino final foi a rua Laekjargata, na prefeitura da cidade.

Na cerimônia de encerramento, os representantes da Corrida da Harmonia Mundial fizeram um agradecimento ao ministro e Tegla Loroupe pelo apoio à paz mundial e os presentearam com prêmios por terem carregado a Tocha da Paz.

A Corrida da Harmonia Mundial é um evento realizado em mais de 100 países, e passou também pelo Brasil. Os corredores carregam uma chama simbólica assim como é feito nos Jogos Olímpicos. Na Islândia, a tocha atravessou o país inteiro.

Parques da cidade recebem "troca de livros" com obras finalistas do Prêmio São Paulo de Literatura



Uma das ações mais criativas que já vi...veremos se o paulistano cumprirá com sua parte do "acordo".

"Dê uma olhada e veja o que o acaso lhe reserva, se gostar, pode levar para casa. Depois, sugiro deixá-lo aqui mesmo, possibilitando assim novos encontros e coincidências", escreveu Carola Saavedra, autora de "Paisagem com Dromedário".

Reportagem: Redação UOL Notícias
Imagem: UOL
UOL Notícias

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Em ato de extrema gentileza, garoto devolve bola do jogo para rival



Vale conferir a reportagem, o garoto chegou a ser entrevistado depois, já que as câmeras flagraram todo o lance. Veja o vídeo e leia abaixo o que os locutores da partida, Daron Sutton e Mark Grace,  disseram no momento!

Sutton: Você está de brincadeira, o garoto vai fazer isso?
Grace: Esse é o grande momento, logo ali!
Sutton: Oh meu Deus!
Grace: Mas que rapaz legal!

E como bem diz o autor da reportagem: "Muitos questionam que a bola originalmente não era para Nicholas, mas sim para o garoto ao lado, e que ele perdeu a bola, que o fã dos Brewers ganhou o presente só por ter chorado, que um amigo de Ian ou a mãe de Nicholas o repreenderam para abrir mão do presente, etc, mas nada disso apaga o valor da atitude de Ian."

Texto: Bruno Paiva Teixeira
Blog da Redação
Yahoo Esportes

Elle Fanning sentirá falta da Irmã caloura Dakota*


China Daily USA
Agencies

* Livre Tradução Resumida

NT - A notícia abaixo saiu em uma dessas sessões de fofocas, mas achei muito bonito o conteúdo, pela admiração e amor de uma irmã pela outra. Dakota Fanning, quem diria, vai para a faculdade (está com 17 anos). Abaixo, o depoimento da sua irmão mais nova, Elle, precoce como a mais velha no cinema.

Elle Fanning admite que será triste quando a irmã Dakota sair de casa para estudar fora - ela fará graduação em Nova York.

[...] "Vai ser uma tristeza quando ela se for. Nós dividimos o mesmo banheiro, os quartos ficam um ao lado do outro. Será realmente estranho. Eu fico brincando com ela, dizendo que vou transformar o quarto dela em uma sala de jogos...mas não, eu acho que vou é acabar indo muito a Nova York."

"Eu realmente quero ir para a faculdade. Minha irmã está indo, e tanto meu pai como minha mãe também foram para a universidade".

Elle também revelou que, embora Dakota nunca tenha lhe dado muitos conselhos sobre como lidar com a fama, ela na verdade a ensina pelo exemplo.

"Eu cresci com ela começando na carreira, depois eu iniciei a minha. É realmente muito legal. Não me lembro dela me dar, tipo, conselhos. No entanto, ao observar as escolhas que ela fez e vendo-a trabalhar, penso que estes foram realmente os conselhos dos quais eu precisava."

quarta-feira, 20 de julho de 2011

EUA: Baleia agradece a três homens que a salvaram


Vale a pena conferir o vídeo. Observadores de baleias conseguiram salvar um destes mamíferos de uma rede e o agradecimento por parte do animal se tornou um espetáculo à parte. Leia a reportagem na íntegra no link abaixo:

Boas Notícias - Portugal

Dia Internacional da Amizade - Compêndio de Notícias!


A seguir, uma sequência de notícias para celebrar o Dia Internacional da Amizade!

A primeira reportagem fala sobre o dia em si, contando até a origem da data. Ela veio, segundo a reportagem, da cabeça do argentino Ernesto Febbraro, maravilhado com a chegada do homem à Lua no dia 20 de julho de 1969. Segundo Ernesto, o evento trouxe consigo a possibilidade de se fazer amigos por todo o universo. Vale conferir, ainda, alguns resultados de estudo feito pelo Instituto Gallup sobre a importância da amizade. Transcrevo três deles:


* Quem tem um sólido círculo de amigos é 70% mais feliz no casamento

Quem tem um melhor amigo no escritório é 7 vezes mais produtivo, criativo e engajado nas propostas da empresa do que aquele funcionário que não se relaciona com os colegas

Ter um amigo que possui uma dieta saudável aumenta em 5 vezes a chance de você seguir aquela mesma alimentação;


Leia o resto da reportagem no link abaixo:

20 de Julho - Dia Mundial do Amigo
Itaúna em Notícias
http://www.noticiasdeitauna.com.br/noticiasdiarias/admin/2011/07/20/20-de-julho-dia-mundial-do-amigo/

A outra é referente a um evento em que as pessoas saem distribuindo abraços grátis pelas ruas. Este evento aconteceu em Portugal; confira no link abaixo:

Abraços Grátis no Dia Internacional da Amizade
Boas Notícias - Portugal
http://www.boasnoticias.pt/noticias_Abraços-grátis-no-Dia-Internacional-da-Amizade_7328.html

terça-feira, 19 de julho de 2011

Vale Facebook?


Facebook

NT - Não deixa de ser uma notícia do dia...pra mim, A melhor do dia. Suprimi os nomes para preservar a identidade, mas sim, foi extraído do Facebook. Um pensamento positivo que vale por três, como no caso da família acima. Ótima noite a todos! Pensamento positivo sempre!

segunda-feira, 18 de julho de 2011

"Somos sempre o herói de nossa própria história"




O UOL acompanhou a rotina de um estudante que na raça vai conseguindo se manter em uma das melhores universidades do país. Filho de pais separados, a mão é empregada doméstica e ajuda a custear os estudos do filho. Uma heroína que não aparece na história. A repercussão foi tamanha entre internautas que gerou esta boa notícia, agora publicada no blog. Leia aqui como tudo começou 

Vale conferir a matéria diretamente no link acima, porque a jornalista e equipe acompanharam e documentaram o dia inteiro deste estudante, e o resultado foi uma apresentação bem bacana no site.


Reportagem: Suellen Smosinski
Fotos: Aline Arruda
UOL Notícias

A designer que acreditou em si mesma



Reportagem: Anthony Omuya 
Foto: Anthony Omuya
Daily Nation

* Livre tradução adaptada

Amigos se opuseram quando Carol Wambui Gatimu deixou a carreira de engenheira em computação de uma grande companhia para mergulhar na indústria da moda. Acreditavam que ela estava fadada ao fracasso, por conta da forte concorrência do setor.

Mãe de dois filhos, ela sempre teve a ambição de iniciar um negócio próprio com o dinheiro que conseguira economizar. Seu sonho se concretizou quando abriu, em 2004, sua loja no Jericho Market, utilizando um capital de 30 mil shillings (moeda do Quênia).

Ela agora administra um negócio - a Carol Design - que vale mais de três milhões de shillings, com giro mensal de 400 mil shillings. A maioria dos seus clientes são de hotéis e companhias que precisam de uniformes próprios para seus funcionários.

Ela diz que começou a costurar em casa desde cedo porque sua mãe possuía uma máquina de costura. Daí vem sua paixão por roupas. Antes de fincar pé no ramo, ela já costurava e criava peças em casa para vender a clientes em diversos escritórios. Os consumidores gostaram do jeito único com que ela produzia suas roupas, o que resultava em um interesse crescente e, por conseguinte, em mais clientes.

"Eu sabia que seria bem-sucedida em meu próprio negócio, e que teria lucro com isso. Ter autoconfiança me ajudou muito", diz Carol, em seu ateliê no Jericho Market. "Muitas pessoas tentaram me desencorajar, eu as escutava mas sabia o que queria".  Ela diz que determinação, trabalho duro e apoio da família a encorajaram a concretizar seu sonho. " Às vezes não se pode ter sucesso se sua família e amigos não te apoiam no trabalho."

sábado, 16 de julho de 2011

Ilhas Cook Levantam Fundos para Christchurch*

Ministro das Relações Exteriores da Nova Zelândia, Murray McCully (à esq.)
com John Baxter, prefeito de Aitutaki nas Ilhas Cook

Reportagem: Campbell Cooney
Australian Network News
http://australianetworknews.com/stories/201107/3270774.htm?desktop

*Livre tradução resumida

A Nova Zelândia acabe de receber doações de um vizinho do Pacífico, as Ilhas Cook, nos esforços para reconstruir a cidade de Christchurch.

Uma maratona de arrecadação de fundos organizada por uma rádio da remota ilha de Aitutaki levantou 25 mil dólares neozelandeses em apenas 4 horas. Na capital da ilha, o cheque foi entregue ao Ministro das Relações Exteriores da Nova Zelândia, Murray McCully.

John Baxter, prefeito da cidade de Aitutaki disse: "Esta foi a primeira vez que apelei ao nosso povo por algo assim, e como podemos perceber, houve uma resposta muito positiva".

Sr. McCully: "É um gesto maravilhoso. O povo de Aitutaki realmente se prontificou a ajudar Christchurch e eu, em nome do governo, do povo neozelandês e, particularmente dos habitantes de Christchurch, agradeço ao prefeito". [...]

Folia Aliada à Solidariedade


Iniciativa bacana promovida por uma micareta (o Fortal), envolveu pela primeira vez uma mobilização social que resultou em um esforço para arrecadação de leite, o qual será doado a instituições de caridade. Confira na reportagem os detalhes da ação, cujo marketing englobou várias ações dentro do evento.

Reportagem: Diário do Nordeste
Foto: Viviane Pinheiro
Diário do Nordeste
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1011269

Aulas de Tênis Gratuitas a Crianças Carentes


Reportagem: Robert William
Coluna Solidária (texto/foto)
Folha de Niterói Online
http://www.folhanit.com.br/

No dia 23, o Blog Solidário fez uma visita ao projeto Boa-Bola, que oferece aulas de tênis a crianças carentes do bairro do Caju, em Maricá, no Caju Tênis Clube. O projeto, que existe há quatro anos, é patrocinado pela Viação Nossa Senhora do Amparo e foi idealizado pelo professor de Educação Física Pedro Paulo Cartolano, proprietário do Clube e que também trabalha no projeto. Segundo ele, graças ao patrocínio da empresa de transporte, os alunos recebem uniformes, bolas de tênis novas e lanche, entre outros benefícios. "Atualmente gastamos vinte reais por dia com material, que saem do capital da empresa. Não poderíamos manter o pessoal jogando com bola careca ou bola velha, ninguém consegue jogar tênis assim", comenta Cartolano.

Atualmente, 25 crianças participam do Boa-Bola, sendo 15 delas competidoras em torneios realizados em Niterói e Maricá. Algumas já se destacaram e foram campeãs, como os irmãos Marcos, de 11 anos, e Márcio, de 15, que venceram as etapas do Circuito Niteroiense de Tênis, disputado por cerca de 600 atletas de todo o Estado do Rio.

Além de formar campeões, o projeto Boa-Bola também forma professores, como é o caso de Rodrigo Monteiro e Clóvis Silveira, que passaram do limite de idade (15 anos), fizeram o curso de uma semana da CBTênis e hoje participam do projeto dando aulas.

O incentivo à educação também é marca do Projeto, já que só participa das aulas quem está matriculado em colégio público. "Houve um caso de um garoto que gostava tanto de jogar tênis que não estudava mais. Então, decidimos tomar cuidado. Quem quiser jogar e brincar tem que frequentar a escola", afirma Cartolano. O projeto Boa-Bola conta com uma sala de estudos onde os alunos são incentivadas à prática da leitura e têm acesso a computadores. Segundo ele, o Projeto está precisando de computadores novos. Quem quiser doar é só ligar para o telefone 9845-3881 e falar diretamente com ele. Mais informações podem ser obtidas pela internet (www.solidario.blog.br).

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Estudantes Ajudam Estudantes com Pacotes de Verão*


Reportagem: Peggy McEwan
Foto: Peggy McEwan
Gazette.Net

*Livre tradução resumida

Quando Marni Morse, 16 anos, uma estudante do penúltimo ano da Richard Montgomery High School e escoteira procurava um projeto para o seu grupo, deparou-se com a possibilidade de fazer algo que ela adora: ensinar.

"Eu sempre achei a missão de ensinar interessante e divertida. Soube desde o início que o que eu queria era montar um projeto que ajudasse as crianças mais jovens em suas atividades escolares."

Marni criou uma espécie de pacote de verão, um acampamento para crianças do ensino fundamental, chamado "Summer Path To Easy Math", o qual durou três dias. O projeto, conforme idealizado por Marni, é gratuito.

[...] O acampamento foi realizado das 09h da manhã até o meio-dia em uma igreja de Gaithersburg, tendo como alvo os estudantes da Diamond Elementary School. Vinte e um estudantes se inscreveram para trabalhar com Marni e outros seis tutores (estudantes do ensino médio). Além de trabalharem com exercícios planejados, os estudantes tiveram jogos e competições de matemática no encerramento dos trabalhos.

"Tudo transcorreu bem e, ao que parece, as crianças realmente se divertiram com a experiência. Por isso, espero poder coordenar o programa novamente no próximo ano", escreve Marni, via e-mail.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Pare pato, é a polícia!*


Katie Moritz
The Capital Annapolis
http://www.hometownannapolis.com/news/top/2011/07/13-21/Duck-its-the-cops.html

NT - Notícia bem humorada do The Capital.

*Livre tradução

Depois de 30 minutos de perseguição na última terça-feira, a polícia finalmente conseguiu prender o fugitivo - uma espirituosa mamãe pato.

Mas primeiro, eles resgataram seus filhotes. Seis patinhos foram retirados de um bueiro no centro de Annapolis na tarde de terça-feira. Na verdade, eram sete filhotes andando em fila atrás da mãe quando seis deles caíram pelas grades do bueiro. Ao perceber o que acontecera, a mãe começou a grasnar em alto e bom som até que a ajuda chegasse.

A polícia pediu  aos clientes de um restaurante localizado em frente ao acidente - Buddy´s Crab and Ribs - que afastassem os carros e, com a ajuda de um funcionário do Buddy´s, Tracey Isaacs, removeram a grade do bueiro e pescaram os patinhos.

Embora a polícia tenha rapidamente resgatado os filhotes, a mãe pato não sossegou. "A polícia tentou capturá-la por uma hora e meia por debaixo dos carros", disse Isaacs. "Terminaram por pegá-la em uma loja de presentes". A mamãe pato não fez compras, estava apenas dando uma olhada na loja, dizem os relatos.

Por volta das 15h, a mãe finalmente foi reunida aos seus filhotes e a família foi entregue novamente à lagoa, sã e salva.

Caso encerrado.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Warren Buffet doa US$ 1,5 bi para a Fundação de Bill Gates*


Reuters/msnbc/The Giving Pledge
Foto: Anthony Bolante/Reuters

*Livre tradução resumida

Provavelmente você já sabia disso. Warren Buffet, um dos três homens mais ricos do mundo, anunciou em 2006 que doaria 99% de sua fortuna em benefício de atividades filantrópicas, seja em vida ou após sua morte. A notícia por si só apenas ressalta que ele está de fato cumprindo com o anunciado. O que mais me chamou a atenção foi outra iniciativa dele e Bill Gates, o projeto "The Giving Pledge" (sítio em inglês aqui), mais ou menos como um "Apelo à Caridade". Leia mais abaixo, depois da notícia, a transcrição da mensagem deixada por Warren Buffet no site. Vale a pena.

O investidor Warren Buffet doou mais US$ 1,5 bi à Fundação Bill & Melinda Gates como parte do seu plano iniciado em 2006, de reverter 99% de sua fortuna para atividades sociais. De acordo com um documento do órgão regulador de ações do mercado americano, ele doou 19,34 milhões de ações classe B da sua companhia, a Berkshire Hathaway, para a Fundação Gates.

[...] Bill Gates, co-fundador da Microsoft e também diretor da Berkshire Hathaway, junto com sua esposa, Melinda, criaram a Fundação Gates nos anos 90 como forma de encontrar soluções para problemas de educação, saúde e pobreza.

[...] Buffet e Gates lançaram um esforço em prol da filatropia em junho de 2010, The Giving Pledge, no qual conclamam as famílias e indivíduos mais ricos dos Estados Unidos a se comprometerem em doar a maior parte de suas fortunas para obras de caridade. Desde o início do projeto, dezenas de bilionários aderiram ao projeto.

Abaixo, a carta de Warren Buffet, no site Giving Pledge, também em livre tradução. Dentro do sítio, podemos encontrar depoimentos de importantes líderes empresariais americanos, como  Paul G. Allen (sócio co-fundador da Microsoft), Michael Bloomberg (da rede de notícias Bloomberg), Larry Ellison (CEO da Oracle), o magnata das comunicações Ted Turner e Mark Zuckerberg (Facebook).

Em 2006, me comprometi a doar, gradualmente, todas as minhas ações da Berkshire Hathaway para instituições filantrópicas. Não poderia estar mais feliz com essa decisão.

Agora, eu, Bill e Melinda Gates estamos pedindo aos cidadão mais ricos dos Estados Unidos que se comprometam em doar, pelo menos, 50% de suas fortunas para a caridade. Acho oportuno, portanto, reiterar minhas intenções e explicar as razões por trás deste projeto.

Em primeiro lugar, meu compromisso: mais de 99% do meu patrimônio pessoal irá para a filantropia, seja em vida ou após a morte. Medido em dólares, tal nível de comprometimento parece realmente alto. Comparativamente, no entanto, há muita gente doando bem mais do que isso diariamente.

Milhões de pessoas que contribuem regularmente para igrejas, escolas e outras organizações por vezes estão abrindo mão de usar o dinheiro para benefício próprio. Os dólares que estes indivíduos deixam em coletas para obras assistenciais ou para organizações de comunidades locais significam recursos a menos para ir ao cinema, um jantar fora de casa ou realização de outras atividades prazerosas. Em contraste, eu e minha família não precisaremos abrir mão de nada do que precisamos ou queremos para cumprir a meta dos 99%.

Além disso, este comprometimento não leva em conta o principal e mais precioso ativo na atividade filantrópica, que é o tempo. Muitas pessoas, incluindo - e estou orgulhoso em dizer isso - meus três filhos, dedicam boa parte do seu tempo e dos seus talentos para ajudar os outros. Presentes deste tipo frequentemente se mostram mais valiosos do que o dinheiro. Uma criança carente que recebe cuidados e alimento de um voluntário recebe, na verdade, um presente cujo valor excede aquilo que pode ser escrito em um cheque. Minha irmã Doris se dedica muito à tarefa de ajudar pessoalmente os outros no dia-a-dia. Eu tenho feito pouco sob essa ótica.

O que posso fazer, entretanto,  é pegar uma parte das ações da Berkshire - as quais podem ser convertidas em dinheiro e assim gerar recursos de boa monta - e destiná-las em benefício daqueles que, por infortúnios pessoais, receberam os "canudos mais curtos" na vida. Até o momento, 20% das minhas ações foram distribuídas (incluindo as ações da minha última esposa, Susan). Eu continuarei a distribuir anualmente 4% das ações que detenho. No mais tardar, em 10 anos todos os rendimentos das minhas ações da Berskshire Hathaway serão gastos em atividades filantrópicas, até que não sobre mais nada. Nada será deixado para herança. Eu quero que o dinheiro seja gasto com os mais necessitados.

Esta resolução em nada afeta meu modo de vida, bem como o dos meus filhos. Eles já receberam significativas somas para uso pessoal e receberão mais no futuro. Eles vivem de maneira confortável e produtiva. E eu continuarei a viver de maneira que me permita ter tudo o que eu possivelmente quiser em vida.

Alguns bens materiais tornam minha vida mais prazerosa; outros, contudo, não. Gosto de ter um jatinho privado, mas ser dono de meia dúzia de casas seria um fardo. Frequentemente, uma vasta coleção de possessões termina por possuir o próprio possuidor. O ativo que considero mais valioso para mim além de saúde, são amizades interessantes, diversificadas e de longa data.

Minha fortuna surgiu de uma combinação de ter nascido nos Estados Unidos, alguns genes de sorte e juros compostos. Tanto eu quanto meus filhos ganhamos o que eu chamo de "loteria do ovário" (para os iniciantes: as apostas contrárias às chances de eu ter nascido nos Estados Unidos em 1930 eram, no mínimo, de 30 para uma. O fato de eu ser homem e branco também me ajudou a remover enormes obstáculos enfrentados pela maioria dos americanos). Minha sorte foi aumentada pelo fato de eu viver em um sistema de mercado que às vezes produz distorções, embora sirva bem ao país em geral. Trabalhei em uma economia que recompensa com uma medalha aqueles que salvam vidas em um campo de batalha, premia professores brilhantes com recados de agradecimento dos pais, mas igualmente recompensa aqueles que detectam preços baratos em ativos com somas que podem atingir bilhões de dólares. Em suma, a distribuição das palhas mais longas é verdadeiramente casuística.

Minha relação e a da minha família com a nossa enorme fortuna não é de culpa, e sim de gratidão. Se usássemos mais de 1% das minhas ações com nós mesmos, tanto nossa felicidade quanto nosso bem-estar estariam comprometidos. Por outro lado, os 99% remanescentes têm um enorme efeito na saúde e no bem-estar das pessoas. A realidade coloca um cenário muito claro para mim e minha família: mantenha tudo o que você de fato possa vir a  precisar e distribua o restante para a sociedade e seus necessitados. Meu compromisso nos leva diretamente a este caminho.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Biblioteca faz agradecimento a seus jovens voluntários*


Reportagem: Lauren Tiner 
Foto: Lauren Tiner
NewHampshireLakesAndMountains.com
 
*Livre tradução resumida

A biblioteca de Gilford prestou homenagem a seus jovens voluntários com um Café da Manhã dos Jovens Voluntários, arregimentando, ainda, novos interessados em ajudar a instituição no próximo ano.

Lura Shute, bibliotecária de Gilford, organizou o evento que ajudou a reconhecer os méritos dos garotos no último ano, ao mesmo tempo em que estimulou potenciais interessados em participar do projeto. Além da refeição, ela organizou um tour pela biblioteca aos convidados que participaram pela primeira vez.

“Isto faz com que os jovens se envolvam e fiquem mais familiarizados com a biblioteca. Sempre tivemos voluntários, mas estamos buscando novos programas para envolver esse público mais novo”, diz Shute. “Hoje temos um café, estamos nos conhecendo, discutindo idéias e mostrando o local. É  uma chance de introduzir os adolescentes no trabalho que fazemos por aqui.”

A maioria dos jovens voluntários costuma trabalhar na sala das crianças, que fica debaixo das escadas, embora alguns, com mais experiência, possam ajudar as bibliotecárias com outras tarefas.
“Pessoalmente, gosto muito de trabalhar com as crianças, fazê-las sorrir com os livros”, diz a voluntária Ashlyn Miller, 15 anos. “Há alguns anos que freqüento a biblioteca, e quando soube do programa, caí dentro. Acho que é uma boa forma de fazer uso do seu tempo.” Além de descobrir que adora trabalhar com crianças, Ashlyn também fez novas amizades com seus colegas voluntários.

[...] Ryan DuBois, outro voluntário de 14 anos, diz que começou a participar do programa depois de ter visto um aviso que convidava jovens para as atividades de voluntariado no verão.

“Eu decidi experimentar e aqui estou. Queria ser produtivo e fazer alguma coisa durante o verão, ao invés de ficar por aí à toa. É legal e estimulante. Você é tratado como um adulto aqui”, diz Ryan. “Você também adquire a habilidade de encontrar e separar qualquer livro da biblioteca, é uma boa experiência.”

[...] Ao se comprometer com as atividades de voluntariado da Biblioteca de Gilford, os voluntários pode esperar uma série de tarefas:organizar as prateleiras da sala infantil; alocar CD-ROMs e DVDs em ordem alfabética, ajudar os mais novos com atividades de artesanato e quebra-cabeças, além de sorrir e cumprimentar todos os visitantes que passam pela porta.

Os bibliotecários responsáveis procuram encorajar seus jovens voluntários a perguntar às crianças qual livro da biblioteca estão lendo e indicar um ou dois dos seus favoritos a elas. Em dias mais calmos, os próprios voluntários podem, eles mesmos, aproveitarem o tempo para ler alguma coisa.

Município Islandês Enfatiza Importância da Felicidade


Reportagem: Ice News
Foto: Ice News
Ice News

*Livre tradução resumida

A autoridade local de uma cidade islandesa chamada Strandabyggd, no noroeste daquele país, decidiu adotar o conceito do Butão de felicidade (Felicidade Interna Bruta) como indicador econômico (http://pt.wikipedia.org/wiki/Felicidade_Interna_Bruta). A resolução, votada pelo Conselho de munícipes da pequena localidade, determina que a felicidade deve ser um dos indicadores líderes para o desenvolvimento de Strandabyggd. A qualidade de vida dos residentes dos moradores foi considerada de extrema importância e deve ser melhorada pelos governos sempre que possível. [...] A reunião especial do Conselho é parte do evento chamado Holmavik Happiness Festival (Festival de Felicidade de Holmavik), realizado sempre no primeiro final de semana de julho. Corações vermelhos, “smileys” e outros adereços positivos podem ser vistos ornamentando a vila durante todo o ano.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Crianças adotam árvores nos Estados Unidos*


Reportagem: Hollis Brookline Journal
Foto: The Cabinet
Cabinet Press

* Livre Tradução Adaptada

Na municipalidade de Hollis Crossing, EUA, surgiu um novo projeto verde para a população local, inspirada por um morador, John Prestidge. John é famoso entre os residentes pelos seus conhecimentos sobre plantas e árvores, por isso, sempre foi parado pelos vizinhos, que lhe perguntavam sobre os tipos de árvores da região. Ele decidiu, então, identificar e sinalizar nomes de 53 árvores da propriedade do Comitê de Paisagismo.

A partir daí, o próprio comitê decidiu criar um programa que encorajasse os moradores a cuidar da vegetação local, por meio da adoção de árvores e arbustos. Cada criança que se inscreveu recebeu uma lista de 57 árvores ou arbustos para escolher. No final de semana passado, o evento de abertura do programa começou com o registro dos "pais", e cada criança recebeu um certificado de adoção. As árvores foram marcadas com pequenas placas amarelas (à prova de intempéries) contendo nome e idade dos voluntários, bem como a data de adoção. Também foi feito um concurso de arte e redação para as crianças, cujos prêmios serão entregues na próxima reunião, em agosto.

O encontro emocionante entre a pequena Diamond e Kate Middleton*





Coisas de Isabella

NT - direto do blog da Isabella...

"Kate e William viveram um momento emocionante na manhã dessa quinta-feira (7) em Calgary, no Canadá. Eles tiveram um encontro com uma fã especial.  Diamond Marshall, de seis anos, foi diagnosticada com câncer em fevereiro desse ano. Ela já passou por inúmeras sessões de quimioterapia e radioterapia, mas mesmo assim foi atrás de seu maior sonho: conhecer a princesa.

Diamond sempre teve fixação por princesas, mas desde o casamento real, ela só fala em Kate Middleton. Da cama do hospital, ela escreveu uma carta para a instituição Children's Wish pedindo para encontrar a princesa.

Assim que Kate desembarcou no aeroporto de Calgary, a pequena Diamond correu pela pista ao seu encontro. Mesmo tímida, Diamond não escondeu a felicidade ao abraçar a princesa, que ficou emocionada.

Desde 1984, a Children's Wish realiza sonhos de crianças e ontem foi a vez de Diamond ter o seu pedido realizado. Muito lindo! A pequena está aguardando cirurgia. Desejamos muita saúde pra ela :)".

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Projeto da juventude de Mpolonjeni Impressiona Ministra



Reportagem: Sthembile Hlatshwayo
Foto: N/A
Times Of Swaziland
http://www.times.co.sz/Community/30264.html

Há algum tempo que venho buscando notícias positivas da África. Não é uma tarefa fácil, e a notícia abaixo talvez não impressione pelo teor. Contudo, por vir de uma terra tão sofrida, acredito que seja válida, sem contar o apreço particular que eu tenho pelo continente. Esta é da Suazilândia.

* Livre tradução resumida

Um rapaz de Mpolonjeni, que integra um projeto de agricultura, impressionou a Ministra de Esportes, Cultura e Juventude com sua plantação de tomate de 1 hectare. A ministra disse que o projeto abriu um novo precedente para a juventude local, especialmente porque passou a empregar mais quatro jovens da localidade. Ela afirmou que é encorajador ver o interesse dos jovens pela agricultura. [...]

terça-feira, 5 de julho de 2011

Após Ouvir "Não" 80 Vezes, Inventor de 84 Anos Finalmente Emplaca!

George Weiss e sua neta, Jennifer Litt, jogando o Dabble

Reportagem: Michelle Leifer
Foto: Michelle Leifer 
Today.com/msnbc.com

* Livre tradução resumida

Algumas pessoas jogam golfe.Outras colecionam selos. George Weiss gosta de inventar.

Nos últimos cinquenta anos, Weiss, de 84 anos, passou a maior parte do seu tempo livre imaginando novas invenções e construindo-as.

[...] Meio século de invenções resultou em 80 criações, muitas delas construídas no porão de sua casa no Brooklyn, NY, onde viveu os últimos 45 anos. Dentre as preferidas, uma fivela para chaves do carro, o sistema de armazenagem "Do It Yourshelf" (um trocadilho com prateleiras e o famoso slogan "faça você mesmo") e um enfeite de Natal que se abre em forma de cruz.

Apesar de elogiados pelos amigos e familiares, seus inventos não foram capazes de sensibilizar empresas a investir nelas. "Eu era rejeitado onde quer que fosse. As empresas possuem formulários, eu simplesmente não conseguia entrar".

Mas tudo mudou quando uma pequena companhia chamada Ideas Never Implemented (Ideias Nunca Implementadas) concordou em investir em um jogo de palavras que Weiss apresentou, o Dabble.

O jogo agora é vendido em 50 lojas espalhadas pelos EUA, tendo recebido, recentemente, o prêmio de Jogo do Ano pela Revista Creative Child.

[...] "Eu me apaixonei pelo jogo já na primeira vez em que joguei", diz Jay Vohra, presidente do Ideas Never Implemented, responsável por tirar o Dabble do porão da casa de Weiss e colocá-lo no mercado há apenas 3 semanas atrás. "O timing também é apropriado, já que jogos com palavras estão muito em voga atualmente". A companhia pretendia, ainda, lançar um app (aplicativo) no dia 1º de julho.

Dabble é especial para George Weiss porque ele jogou  com Faye, sua esposa de 61 anos, que está com o mal de Alzheimer. "Faye acompanhou os estágios iniciais do jogo, mas ela tem estado doente no último ano". Atualmente, ela vive em uma clínica de cuidados especiais, perto da casa.

Se Weiss fizer fortuna com seu invento, ele insiste em dizer que nada mudará em sua vida. "Eu não preciso de uma casa maior. Minha esposa está perto daqui e posso vê-la todos os dias. Sou feliz aqui."

Seu conselho para outros inventores com grandes ambições? Não criar um produto apenas pensando em ganhar uma fortuna com ele.

"Trabalhe em algo que tenha um significado especial para você", aconselha Weiss. "Se fizer assim, provavelmente terá sucesso".