A propósito...

O objetivo deste blog é o de coletar, todos os dias, notícias verdadeiramente positivas e edificantes em prol de um mundo melhor. Colabore para a nossa cura, dedique um tempo para enviar boas vibrações ao planeta! Para entender melhor, leia o Editorial

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Notícias positivas que só vejo em pequenos jornais...



Poderia ser em qualquer cidade de qualquer país, mas frequentemente são os jornais de cidades pequenas quem buscam notícias como essa. Não é apenas a lição de caridade, mas o exercício da liderança e de iniciativas simples e construtivas para crianças.  Esta é da pequena cidade de Londonderry, nos Estados Unidos. Acho que as fotos dizem mais do que a reportagem...

Reportagem: Suzanne Laurent
Fotos: Tim Jean
Derry News

*Livre tradução resumida

Estudantes da Londonderry Elementary School realizaram pela sétima vez uma campanha de arrecadação de alimentos que resultou na coleta de mais de 2.600 itens. Apesar da situação econômica no país, as crianças se mostraram bastante empolgadas.

O projeto é coordenado por dois professores, que supervisionam a campanha junto a um Conselho de 20 estudantes da 5ª série. Cada um deles supervisiona uma sala, com o objetivo de lembrar os alunos dos prazos, coletar os donativos e depois separá-los em kits. As duas salas que angariam mais mantimentos ganham uma festa da pizza pelos seus esforços.




segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Sobreviventes de atentados em Mumbai pregam perdão a extremistas



Um pouco de esperança na humanidade...quando as reportagens envolvem pessoas que souberam perdoar o aspecto positivo fica ainda mais evidente, pois acredito que essa seja uma das virtudes que mais sofremos para aprender e assimilar.

"[...] A consequência das ações deles foi a morte. Como um homem de 20 anos pode pensar que morrer é (um meio de) vida? Não posso fazer nada senão perdoar a perspectiva desse jovem. O perdão é um presente que você dá a si mesmo."

Reportagem: Rajini Vaidyanathan
Foto: BBC
BBC News

domingo, 27 de novembro de 2011

Intervalo Nas Deliberações! Parte 13 - Iniciativa e atitude



Uma vez me disseram: "seja você mesmo no meio da multidão". Hoje percebo quantas vezes este pensamento me livrou de encrenca ou coisa pior, mesmo que nem sempre o tenha seguido à risca...

Times Of India
Lead India
"Tree"

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Austrália quer tornar o Mar de Coral na maior área marinha protegida do planeta


Um exemplo de fora sobre a conscientização da importância da preservação de ecossistemas fragilizados pela ação do homem!

Reportagem: Helena Geraldes
Foto: N/A
Público - Portugal

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Superação e solidariedade após um trágico acidente...


Reportagem: The Huffington Post
Créditos para Ann Zevely e Deanne Goodman
Foto: Reprodução/Vídeo
The Huffington Post
http://carlsbad.patch.com/articles/walking-with-anthony-spinal-chord-injury-project-walk#video-8398291

Anthony Purcell é um jovem americano que quebrou o pescoço em um acidente muito comum: estava mergulhando no mar e bateu a cabeça em um banco de areia. O acidente resultou em uma séria lesão medular que o deixou paralisado do peito para baixo.

Ao saber que não poderia mais andar, Anthony entrou em depressão. No entanto, um ano e meio após o acidente, o jovem de 23 anos possui uma nova perspectiva de vida. Ele e sua mãe, Micki, criaram o projeto Walking With Anthony, uma entidade sem fins lucrativos que foca não apenas na recuperação do próprio Anthony como  Andar sem fins lucrativos com Anthony na de outras pessoas que também tenham sofrido lesões na medula espinhal.

A fundação ajuda a levantar o dinheiro para custear despesas na recuperação da medula espinhal de outras pessoas. "O seguro não cobre esse prejuízo", explica Micki. "Normalmente, [depois de uma] média de 20 dias você é enviado para casa para viver o resto de sua vida em uma cadeira de rodasDepois de ter me envolvido com este projeto, percebi que você não tem que viver em uma cadeira de rodas. Estas pessoas podem melhorar​​, viver de forma independente, ficar mais fortes e muitos até  voltar a andar. Isto requer, no entanto, uma tonelada de dinheiro para bancar os custos. "

Os equipamentos para programas de recuperação como os utilizados no projeto podem demorar entre cinco a 10 anos para ficar prontos e custarem US $ 100.000 por ano, diz Micki.

Purcell recuperou a sensibilidade plena e vem mostrando boa evolução desde que iniciou o tratamento. Ele continua com seu programa na esperança de um dia andar de novo, mas enfatiza que "as pequenas metas são o mais importante. Não é o resultado final, é a jornada que faz as coisas acontecerem." 

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Cidade goiana faz decoração de Natal com garrafas PET recicladas e ajuda no combate à dengue




Bom Dia DF
Globo.com
http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1705650-7823-GARRAFAS+PET+SAEM+DO+LIXO+E+DECORAM+UMA+CIDADE+INTEIRA+PARA+O+NATAL,00.html

Uma cidade de Goiás, Alexânia, atacou três problemas - resíduos, decoração natalina da cidade e disseminação da dengue - com uma única solução: reutilização de garrafas PET. Estes objetos, ao invés de estarem no lixo acumulando água e criando ambientes propícios à procriação do mosquito da dengue, terminaram por servir de matéria-prima para a decoração de Natal da cidade. Confira no vídeo acima esta brilhante iniciativa.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

James Henry - com 96 anos aprendeu a ler, aos 98 escreveu um livro!*


Com o perdão da brincadeira, parece realmente história de pescador...uma matéria inspiradora para todos que se dizem velhos demais para realizar alguma coisa na vida.

Reportagem: CNN/The Huffington Post
Foto: Reprodução/Vídeo
The Huffington Post

* Livre tradução resumida

James Arrudra Henry é um senhor de 98 anos, ex-pescador de lagostas e originário do estado de Connecticut, Estados Unidos. Ele aprendeu a escrever o próprio nome com 96 anos de idade, tendo recebido ajuda de seus amigos de uma casa de repouso para idosos, onde reside.

No entanto, o mais surpreendente é que dois anos após ser alfabetizado, ele conseguiu publicar um livro! "In a Fisher´s Language" (mais ou menos "Na Linguagem de um Pescador") é uma espécie de autobiografia, com 29 capítulos que contam sua história de quase um século de vida.

"Estou nas nuvens", diz Henry. "Sou o homem mais feliz do mundo".

domingo, 20 de novembro de 2011

Intervalo Nas Deliberações! Parte 12 - Mude suas palavras, mude seu mundo


Acabo de chegar de viagem, este é o único post do final de semana. O vídeo é um pouco antigo, mas acho que a mensagem ainda é muito interessante e válida. Boa semana a todos nós!

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Dois jovens cruzam os Estados Unidos contra o desperdício*



Reportagem: Shannon Urtnowski
Foto: Reprodução/Vídeo
NBC News

* Reportagem comentada

Dois jovens americanos, Jeff Chen e Davey Roger decidiram fazer uma jornada pelo seu país colhendo lixo pelo caminho e divulgando a mensagem do desperdício zero de resíduos. Eles estão na estrada desde março do ano passado, e já percorreram aproximadamente 3.200 km, tendo coletado, no percurso, incríveis 63,5 toneladas de lixo! Durante a viagem, eles recrutaram voluntários que os auxiliaram na tarefa (alguns por um dia, outros por alguns meses).

Através da Pick Up America, uma entidade sem fins lucrativos, eles têm procurado instigar nas pessoas o sentimento pelo respeito ao planeta e uma mudança de atitude, especialmente a partir dos mais jovens. Atualmente, eles já estão na metade do percurso planejado, sendo previsto o fim da jornada em um ano. A mensagem, entretanto, eles esperam que dure por toda a vida. Nós também.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Rachel Wheeler, a menina que ajudou a erguer 27 casas no Haiti*



Veja mais fotos de Rachel aqui
São estórias como estas que fazem valer este espaço e tornam o dia melhor. Quantas lições podemos encontrar em uma notícia como essa. Mais uma Rachel para enriquecer o blog!

Reportagem: The Huffington Post
Foto: Arquivo pessoal
The Huffington Post

*Livre tradução resumida

Rachel Wheeler, uma garota americana de 12 anos, sentiu-se recompensada quando foi saudada com música e orações na vila do Haiti que ela ajudou a erguer. Mas foi ali mesmo que ela decidiu qual seria o próximo objetivo filantrópico a perseguir: a construção de uma escola para as crianças dali.

"Você não pode simplesmente sentar-se e pensar em fazer alguma coisa", diz. "Você precisa ir lá e fazer alguma coisa".

Rachel descobriu o sofrimento do povo haitiano quando participou de uma reunião da organização humanitária Food For The Poor (que ajuda a alimentar dois milhões de pessoas por dia) junto com sua mãe em 2009. Ao saber que as crianças do Haiti comem biscoitos de barro e moram em casas de papelão, ela decidiu que iria fazer a diferença.

"Rachel não apenas queria ajudar. Ela disse que tinha que ajudar", conta sua mãe.

Em parceria com a Food For The Poor, a menina - à época com 9 anos - se comprometeu a levantar recursos suficientes para construir pelo menos 12 casas em uma pequena vila próxima da capital, Porto Príncipe.

Os fundos foram conseguidos com a venda de bolos, recolhendo donativos em jogos de baseball da sua cidade e vendendo pegadores de panelas feitos em casa, segundo a NBC. Além disso, ela pediu ajuda à igreja, a seus pais e à Câmara de Comércio de Lighthouse Point, que enviou-lhe 2 cheques com valores substanciais.

O resultado: em apenas 3 anos, seus esforço resultaram em um montante de 250 mil dólares, suficiente para construir 27 casas de concreto com dois quartos. A área foi batizada de "Vila de Rachel"!

"Crianças estão aí para nos mostrar o caminho e como as coisas devem ser feitas", diz o CEO da Food For The Poor. "É incrível, Rachel é fantástica".

Agora, Rachel pretende liderar outra arrecadação para reconstruir a escola local, que foi devastada pelo terremoto. Atualmente, os 250 estudantes do local se espremem em uma sala que sofre com alagamentos.

"Eu quero construir uma escola porque eles precisam de educação para poderem melhorar suas vidas e, posteriormente, dar uma vida melhor a seus futuros filhos".

Rachel já conseguiu metade dos recursos em seus esforços para erguer a escola, e está determinada a atingir a meta.

"Não acredito que possa mudar o Haiti da noite para o dia, com um estalar de dedos, diz a garota. "Eu sei que tenho que trabalhar para isso".

Ator de "De Volta Para o Futuro" toca ´Johnny B. Goode´ em evento beneficente!*



Reportagem: R.P.V.
Foto: Reprodução/Vídeo
Correio da Manhã
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/michael-j-fox-volta-aos-tempos-de-regresso-ao-futuro-com-video

* Notícia comentada

Michael J. Fox é um dos atores mais lembrados e cultuados da década de 80, e pessoalmente gosto muito dos seus filmes. A trilogia "De Volta Para o Futuro" fez dele um superastro naquele tempo. No entanto, Michael teve que abandonar a carreira precocemente ao descobrir que tem mal de Parkinson. Isto foi em 1991.

A grave doença que o afastou das telas não o impediu, contudo, de fazer uma performance para um concerto em Nova York, cujo objetivo era o de levantar fundos para pesquisas em busca de uma cura para o Parkinson.

Se você é - como eu - fã do filme e do personagem de Marty McFly, vai se arrepiar com o vídeo acima, que mostra o ator, com seus 50 anos de idade, tocando guitarra na clássica `Johnny B. Goode´ de Chuck Berry. Assim como o personagem do filme, Michael também usa terno acinzentado. O som falha em em alguns momentos (foi filmado por uma câmera amadora) mas vale a pena de qualquer maneira. Confira!

Abaixo, a cena clássica do filme para os não-iniciados...


segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Ruanda reduz dependência de ajuda externa e melhora indicadores sociais*


Reportagem: Bosco Hitimana
allAfrica.com

* Comentário

Relatório da Actionaid apontou, recentemente, que o país conseguiu reduzir a dependência de ajuda externa de 86% em 2000 para 45% em 2010. Tal fato é compartilhado por relatórios da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que mostra que o país vem, de fato, investindo os recursos doados de maneira apropriada.

É uma notícia positiva para um país que tem os traumas de um genocídio ainda muito recentes. Em 1994, uma etnia (hutus) tomou o poder central e ordenou o massacre de outra (tutsis), resultando em 800 mil mortos.

Segundo o mesmo relatório da Actionaid, a partir dos recursos externos, Ruanda vem conseguindo abrir caminho para atingir as chamadas metas do milênio para a ONU. O ensino primário, por exemplo, hoje atende 94% das crianças - no início dos anos 2000, a cobertura era de 62%. Além disso, os progressos são visíveis na redução da mortalidade infantil e combate à AIDS e malária. Todo este progresso mostra-se sustentável, já que vem acontecendo ao mesmo tempo em que a dependência de doações estrangeiras vem diminuindo.

domingo, 13 de novembro de 2011

Intervalo nas deliberações! Parte 11 - Nick Vujicic, superação física e mental



NT - Soube a respeito de Nick Vujicic aqui em Portugal, seu livro é um dos best-sellers no país. Seu exemplo é uma inspiração para todos nós, e uma aula sobre como viver positivamente. Vale a pena conferir! Boa semana a todos nós!

sábado, 12 de novembro de 2011

Chamam-lhe `Mini Monet´: tem 9 anos e é um prodígio da pintura

Para ver outras fotos e pinturas de Kieron, clique aqui

Kieron Williamson abriu uma exposição às 9 horas da manhã. Dez minutos depois, todas as obras estavam vendidas. O site dele está aqui (em inglês)

Reportagem: Daniel Vidal
Fotos: Correio da Manhã/Sábado.pt
Correio da Manhã

Pais continuam projeto de combate ao câncer iniciado pelo filho*


Reportagem: Jessica Masulli Reyes
Foto: N/A
New Jersey Herald

* Livre tradução resumida

Na cidade de Sparta, Estados Unidos, um casal - Larry e Patricia Shatsoff - doou um cheque de US$ 10 mil dólares para o Centro de Tratamento de Câncer de Sparta. O recurso veio de arrecadação de fundos a partir de uma organização sem fins lucrativos, a Relentless Against Cancer

Esta organização foi fundada pelo filho do casal, Nate Shatsoff, que desencarnou há um mês atrás, aos 24 anos, justamente de câncer no cólon.  Quando foi diagnosticado com a doença em 2009, Nate, ao invés de se abater, criou a Relentless...tornando-se o primeiro presidente da associação. Os objetivos são o de obter fundos para pesquisa e também chamar a atenção para exames de prevenção, especialmente àqueles que possuem histórico na família. Foi justamente através de exames preventivos que sua irmã, Rebecca, conseguiu derrotar o câncer em seus estágios iniciais. No caso da família Shatsoff, o histórico realmente tem que ser levado em consideração, pois o avô e mesmo a mãe tiveram a doença - Patricia conseguiu sobreviver.

Agora, é a vez dos pais administrarem a obra, respeitando a promessa feita ao filho de que continuariam a levar o projeto adiante. Embora Nate tenha se tratado em Nova York e boa parte dos recursos tenham sido doados para a Sociedade Americana do Câncer, desta vez Larry e Patricia decidiram retribuir doando localmente, na região onde moram há mais de 20 anos. A atitude deixou os responsáveis pelo Centro de Sparta maravilhados, especialmente pelo fato da morte do rapaz ainda ser recente.

Larry, segundo a reportagem, faz questão de dizer que não merece créditos: "É tudo obra do Nate...se você o tivesse conhecido..." O site da associação é http://relentlessagainstcancer.org

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Garoto de 7 anos levanta fundos para o Natal de uma família sem-teto*


Reportagem: The Huffington Post/CBS Atlanta Reports
Foto: Reprodução/Vídeo
The Huffington Post

* Livre tradução resumida

Bradley Thomas, 7 anos, é um garoto americano normal que pratica taekwondo. Para obter a cobiçada faixa amarela e aumentar sua graduação, ele foi incentivado a trabalhar em algum projeto de cunho social.

O que não se esperava é que ele buscasse uma meta tão ambiciosa: salvar o Natal de uma família local, que perdeu sua casa após um incêndio em abril. A família - um casal com um filho e duas gêmeas - mora em um pequeno hotel, pois não tinham seguro para a residência.

Kelly Moody, da família ajudada por Bradley, ficou surpresa e tocada com o empenho do menino. "Uma pessoa que pensa mais nos outros do que em si mesma. Eu sou realmente grata a Bradley, quero dizer, toda a nossa família o é".

O projeto de Bradley de arrecadação de fundos deveria ter se encerrado em outubro, mas ele continua levantando recursos em novembro. Até a data da reportagem, ele havia conseguido 300,5 dólares, ajudando vizinhos e coletando donativos na igreja local

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

O legado de Rachel Beckwith às crianças (ou um mundo menos egoísta e materialista)*


 


Rachel Beckwith é e sempre será parte da história deste espaço. Ela me acompanha desde os primórdios do Projeto Minuto Positivo, e este será o quarto post que dedicarei a ela. O primeiro foi publicado em julho de 2011 e, de lá pra cá, os veículos de mídia dos EUA não mais deixaram de repercutir a lição que ela nos deixou, mesmo após sua trágica morte. Seu legado tornou-se muito maior do que ela, eu ou qualquer outra pessoa imaginava. Desencadeou uma onda de sentimentos positivos e, mais do que isso, uma mobilização real das pessoas em prol de uma causa humanitária. Onde quer que esteja, Rachel, este blog tem uma dívida de gratidão para contigo, assim como as pessoas que se sensibilizaram com sua atitude...Como bem diz David Hissami, o personagem principal da reportagem, a generosidade de Rachel se tornou parte do nosso DNA.



Para entender melhor este tópico, é preciso conhecer a estória de Rachel, toda ela contada aqui no blog:


Reportagem: James Eng
Foto: charity:water
msnbc.com
http://www.msnbc.msn.com/id/45122345/ns/us_news-giving/#.Trrf9kOF9GU


* Livre tradução resumida

Rachel Beckwith pretendia levantar fundos para uma organização sem fins lucrativos - a charity:water - depois que ficou sabendo que pessoas em outras partes do mundo estão morrendo por não terem à disposição água potável para beber. Para tanto, fundou uma campanha na qual pedia a seus amigos e familiares que dessem como presente, por ocasião do seu nono aniversário, um donativo à entidade.

Seu exemplo aliado à fatalidade de sua morte dias antes de alcançar seu objetivo (e o nono ano de vida), causaram intensa comoção mundo afora - e sua meta de arrecadar 300 dólares foi superada em muito: chegou a US$ 1,26 mihões, com a ajuda de amigos e anônimos do mundo inteiro.

A morte de Rachel também permitiu que outras pessoas vivessem: um dos seus rins foi doado a um homem na Califórnia, o qual demonstrou sua gratidão colaborando com um donativo para a campanha da menina.

A estória também emocionou David Hissami, um analista de internet de 27 anos, residente também na Califórnia. David pensou em potencializar a campanha, criando o site 9th Birthday. O objetivo, segundo ele, era realizar uma ação de longo prazo, de modo a preservar a memória de Rachel Beckwith.

O 9th Birthday não é afiliado ao charity:water ou à página pessoal da mãe de Rachel; tampouco solicita donativos. O objetivo é o de encorajar pais e filhos a seguirem o exemplo da menina: ao invés de pedirem presentes em seus aniversários, que façam pedidos de donativos para a charity:water a seus amigos e parentes. Até o fechamento deste post, 12 crianças já tinham aceitado participar da campanha no site

David diz que não conhece a família de Rachel, mas se sentiu inspirado pelo exemplo dela. "Vejo tanto cinismo lá fora e vendo uma atitude tão nobre de uma pessoa tão jovem...isso realmente mexeu comigo". Ele não tem filhos ainda, mas espera que, quando os tiver, eles também aceitem - assim como outras milhões de crianças - abrir mão dos presentes de 9 anos. "Espero que possamos estabelecer o nono aniversário como uma data em que as crianças possam fazer doações e pensarem um pouco sobre caridade".

A família de Rachel informou, através de um porta-voz, que fica extremamente feliz e honrada por ver as pessoas se sentirem compelidas a fazer alguma coisa e honrarem a memória dela. A mãe de Rachel pretende viajar à Etiópia em julho de 2012 - data do aniversário de falecimento da filha - para conhecer os projetos de água potável que foram implantados pela charity:water com os recursos obtidos.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Homem que ajudou motorista é salvo por ela alguns quilômetros depois*


Uma história incrível...quem assistiu à saga Matrix certamente se lembrará dos debates filosóficos sobre destino entre Neo, Morpheus e o Oráculo...

Reportagem: Mary Lynn Smith/Paul Walsh
Star Tribune

* Livre tradução resumida

Um canadense - Victor Giesbrecht - que dirigia em companhia da esposa por uma rodovia americana viu duas mulheres em apuros à beira da estrada, com o pneu do carro furado. Imediatamente, ele parou e perguntou se poderia ajudar, uma atitude que surpreendeu as motoristas, Sara Berg e sua prima, Lisa Meier. Elas contam na reportagem que ficaram extremamente agradecidas, pois é muito difícil as pessoas pararem para ajudar hoje em dia, e nunca se sabe o que pode acontecer.

Ao completar o serviço, Victor despediu-se de Sara Berg com um aperto de mãos e uma frase que se revelou uma profecia alguns quilômetros mais tarde: "Alguém lá em cima me colocou no lugar certo na hora certa", disse, referindo-se à ajuda prestada.

Ambas as famílias seguiram viagem e, depois de alguns minutos, Sara Berg passou pela caminhonete dos Giesbrechts, que estava encostada. Ela voltou, pois pensou que eles pudessem ter esquecido alguma coisa. Não era nada disso. A esposa de Victor acenava freneticamente, pois o marido havia, aparentemente, sofrido um ataque cardíaco.

Sorte ou coincidência, Sara Berg, a mulher a quem Victor havia ajudado é enfermeira certificada e rapidamente começou a realizar os procedimentos de emergência - massagem cardiovascular, depois completada por respiração boca-a-boca feita por uma patrulheira, que atendeu primeiro ao chamado de emergência feito pela prima, Lisa Meier.

Victor Giesbrecht foi atendido cinco minutos depois, por uma equipe de emergência que chegou ao local com um desfibrilador e o removeu para o hospital.

Segundo o cardiologista Dr. Regis Fernandes, mais de 400 mil pessoas morrem nos Estados Unidos a cada ano de ataque cardíaco. O percentual de pessoas que sobrevivem fora do hospital é entre 1% e 6%, e a ausência de procedimentos de emergência como massagens cardiovasculares contribui muito para esse baixo percentual. Dr. Fernandes tem certeza de que os procedimentos feitos por Sara Berg ajudaram e muito a aumentar as chances de sobrevivência de Victor.

No entanto, Sara ainda se sente culpada: "Pode ser que o esforço feito para nos ajudar com o pneu furado tenha causado o ataque...no entanto, as pessoas nos dizem que talvez este incidente nos tenha colocado no lugar certo e na hora certa, justamente quando ele precisaria de ajuda".

Ann Giesbrecht, esposa de Victor, no entanto fez questão de emitir um comunicado através do hospital onde o marido está internado, dizendo que conversou com Sara e disse a ela: "Você na verdade salvou a vida dele".

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

domingo, 6 de novembro de 2011

Intervalo Nas Deliberações - Parte 10 - All You Need Is Love




Foi uma coincidência...justamente quando sentei para postar, estava tocando esta música no player. Como a mensagem tem tudo a ver com a proposta do blog, minha tarefa ficou muito fácil. Ótima semana a todos nós!

PS: já tinha visto esse vídeo, mas não me lembrava de ter visto o Mick Jagger na plateia!

sábado, 5 de novembro de 2011

Estudo coloca Brasil em 2º lugar em hábitos sustentáveis



Bom dia MT/A Tribuna News
http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1681143-7823-CUIABA+TEM+BONS+EXEMPLOS+DE+PRATICAS+DE+HABITOS+SUSTENTAVEIS,00.html
http://www.atribunanews.com.br/brasil-mundo/oloca-brasileiros-em-segundo-lugar-em-habitos-sustentaveis-de-consumo

Recentemente, o Brasil obteve a segunda colocação do Índice de Comportamento Ambientalmente Sustentável, através de uma pesquisa realizada pela National Geographic e Globescan em 17 países. dentre os aspectos positivos estão a reciclagem de alumínio e a preocupação crescente do consumidor brasileiro por produtos de menor impacto ambiental e embalagens mais sustentáveis. A alimentação ainda é um aspecto a ser melhorado, pois o consumo de carne vermelha é excessivo, enquanto que o de legumes, frutas e verduras continua baixo.

No item moradia, os aspectos positivos são economia de energia comparativamente a países mais desenvolvidos (em um país tropical, não há tanta necessidade de aquecimento de ambientes e de água) e a proximidade das residências com os locais de trabalho, permitindo economia de combustível.

O curioso na reportagem da Tribuna é o depoimento do diretor da Abralatas, órgão que defende os interesses de produtores de alumínio e latas de alumínio. Ele pede isonomia tributária em relação a outros tipos de embalagem:

[...] "Como exemplo da falta de isonomia ele citou a incidência do ICMS sobre o mesmo produto que, no caso de uma lata de alumínio, pode ocorrer 12 vezes em um ano. ´O ciclo de vida da lata é de 30 dias, o que significa que, num ano uma mesma lata entra 12 vezes no mercado, sendo tributada em cada uma das vezes´, o que não acontece com outras embalagens."

Se a reportagem tem os seus aspectos positivos, o vídeo acima mostra alguns reflexos sobre sustentabilidade no Brasil e, mais interessante de tudo, a casa projetada por um arquiteto, que aproveita tudo: energia eólica, solar e água da chuva. Toda a construção gerou pouco ou nenhum entulho, e madeira não foi utilizada para erguer a moradia. Vale a pena conferir!

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Estudante de Doutorado lança jornal escrito por repórteres sem-teto*



Reportagem: Jaye Watson
Foto: Reprodução/Vídeo
The Huffington Post/Alive 11

* Livre tradução resumida

Um estudante de Doutorado da Universidade de Georgia State, Jeremy Godfrey, é o mentor dessa brilhante iniciativa. Junto com outros sem-teto, eles fundou o Atlanta Overlook (link em inglês aqui), editado inteiramente pelo staff, que se reúne uma vez por semana para uma sessão de brainstorming e workshops para aperfeiçoar a escrita.

"O Overlook tem o poder de mudar a visão negativa que as pessoas têm dos sem-teto".

Os próprios repórteres vendem o jornal por um dólar cada em alguns locais da Georgia, e o dinheiro é revertido para eles mesmos.

Ivan Cooley, um dos participantes do projeto, sente-se desconfortável em ser chamado de repórter. Por anos, o único nome pelo qual foi chamado é o de sem-teto. "Espero que as pessoas ouçam nossa voz e talvez não sejamos mais tão estigmatizados".

O vídeo pode ser visto aqui (em inglês)

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

A vida imita a arte - O verdadeiro herói de "Quem Quer Ser Um Milionário?"*



Reportagem: Nitin Srivastav
Foto: BBC
BBC Brasil
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/10/111031_aprenda_milionario.shtml

* Livre tradução resumida

As cenas poderiam ter sido tiradas do premiado e aclamado filme: um homem residente em uma das regiões mais pobres da Índia tornou-se o primeiro a ganhar o prêmio máximo da versão indiana do programa televisivo "Quem Quer Ser Um Milionário?".

Sushil Kumar, um tímido engenheiro de computação, que ganha um salário de 150 dólares por mês, levou para casa o cheque de 1 milhão de dólares. Apesar de pobre, Sushil é uma pessoa muito bem informada e habituada a ouvir notícias, o que o ajudou a responder a todas as perguntas do programa corretamente.

Ele agora pretende quitar suas dívidas e comprar uma nova casa para sua família.

Após 16 anos, ex-líder skinhead muda de vida e apaga tatuagens racistas do corpo



Vale muito a leitura dessa matéria. Foi um ativista negro quem ajudou Bryon Widner a encontrar um novo rumo para sua vida. Hoje, Bryon decidiu tornar sua história pública de modo a influenciar jovens a não se tornarem skinheads.

"[...] Widner ainda sofre de enxaquecas e outras dores, como resultado das cirurgias extensas e dolorosas para remover tatuagens, mas segundo ele, 'é um preço pequeno a pagar para ser um humano de novo.'"

Reportagem: UOL Notícias
Foto: Duke Tribble/Msnbc/AP
UOL Notícias

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Meg, a cachorra que levou um tiro para salvar seus donos...



Já tinha lido a história, mas tive que esperar para saber se Meg sobreviveria. Pois bem. Hoje a Folha da Região publicou a matéria dizendo que ela já não corre mais risco de vida. Passa a ser, então, uma boa notícia. Uma prova da fidelidade dos animais que muitas vezes não sabemos retribuir.

Texto: Silvia Helena
Foto: Paulo Gonçalves
Folha da Região